top of page

2023 The Heartbeat Tour

Cleveland | Sandusky | Chicago | Wisconsin Dells | Minneapolis | Des Moines | Kansas City | St. Louis | Branson | Hot Springs | Oklahoma City | Denver | Glenwood Springs | Moab | Salt Lake City | Las Vegas | Los Angeles

31 de mai. de 2023

Um mês na estrada mais famosa do mundo com montanhas-russas e paisagens de lagos, florestas e cânions de tirar o fôlego

Olá, parqueiro! Caso queira pular a introdução,

pode ir direto para cada parte específica da viagem

Grandes Lagos

Florestas

Cânions

Los Angeles


Ah, os anos 70 e 80… saudades do que eu não vivi. O surgimento das tecnologias, dos eletrônicos, da música eletrônica dançante, da consolidação do entretenimento de shoppings, fliperamas, ringues de patinação e… parques temáticos. Por toda a América do Norte, os parques inauguraram suas primeiras montanhas-russas de grandíssimo porte, muito altas, muito longas, ou até mesmo com muitos elementos que te fazem virar de cabeça para baixo. Ah, o auge da televisão à cores, uma novidade incrível, ver filmes em videocassetes, e pegar a estrada em busca do desconhecido…


Há alguns anos atrás, no início da década de 1920, nos Estados Unidos, uma estrada em particular ganhou a atenção não só dos estadunidenses, mas do mundo, pela ousadia em atravessar o país passando por 4 biomas diferentes (lagos, florestas, cânions e praia), e acompanhando as formas da natureza: serras, desfiladeiros, rios, morros… Uma estrada cheia de curvas, pontes, faixas largas, faixas pequenas… Era o sonho de todo estadunidense (e de fato, de qualquer pessoa apaixonada por viajar) atravessar a Rota 66 e conquistar o oeste mais uma vez.


O número de parques no Oeste dos Estados Unidos é menor que no Leste, mas grandes cenários se fazem presentes, como o Grand Canyon e o Grande Lago Salgado

Porém, no meio dos anos 70, a Rota 66 foi desativada para dar lugar à Interestadual 40, uma autoestrada de faixas muito mais largas, e atropelando qualquer formação geológica que viesse pela frente para ser uma linha reta perfeita. O tempo de viagem foi reduzido de uma forma incrível e o tráfego para o oeste mais do que quadruplicou. Com isso, cidades à beira da Rota 66 foram abandonadas, virando cidades fantasmas em uma rapidez tão significativa quanto às velocidades máximas dos carros na Interestadual 40. 


No auge dos anos 80, a Rota 66 virou um símbolo nostálgico de viajantes do mundo todo, que queriam conhecer o que sobrou da antiga estrada que era uma epopeia de viagem para os estadunidenses. As poucas cidades que restaram se tornaram museus a céu aberto, e muitas outras estruturas foram abandonadas. A realidade de cidades maiores, como Chicago, St. Louis e Los Angeles não definharam, muito pelo contrário, já que a Rota 66 havia sido fundamental para trazer o progresso a esses lugares no passado. O imaginário da Rota 66 consolidado nos anos 1980 representar a liberdade de viajar e desbravar o mundo em uma estrada continua até os dias de hoje, inspirando souvenirs, rotas malucas (como essa que você está lendo) e até mesmo, filmes e músicas

Grande parte desse imaginário se deve aos diferentes cenários em que a Rota 66 passou, sendo os cânions os mais emblemáticos. Quando criança, o filme me marcou Spirit - O Corcel Indomável, me marcou demais pela sua história, mas também muito pelo seu visual, que se passa em dois dos biomas da Rota 66: as florestas e os cânions. Como a principal mensagem do filme é sobre liberdade, e a criança que assistia era totalmente presa de um apartamento, Spirit se tornou para mim uma meta de vida: ser tão livre quanto aquele cavalo e sentir isso vendo os cânions passarem nos meus olhos. Algo que ficou na minha cabeça desde o lançamento do filme, em 2002.



Dito isso, chega aos cinemas, em 2006, Carros, que explodiu de vez a vontade de viajar pela Rota 66 no mundo todo (e em mim). A The Walt Disney Pictures foi até uma das cidades da Rota 66 original, Seligman, e baseada em uma entrevista da pessoa mais velha da cidade, redigiu todo o roteiro do filme e criou a cidade de Radiator Springs. Carros me emocionou de uma forma absurda, especialmente pela história de recuperação da cidade e pela amizade de Relâmpago McQueen e Matt. Até hoje, é o filme que mais assisti na vida, ultrapassando 70 vezes, e cada vez que eu via Carros, eu pensava: eu definitivamente preciso estar nesse lugar. Sinto que pertenço à ele.



Além disso, toda estética dos anos 80 havia me encantado a partir do momento que comecei a assistir Stranger Things. Era quase como se eu pudesse viver os anos 80 mesmo estando anos à frente. Para completar, conheci uma banda chamada The Midnight, que faz músicas nos melhores gêneros eletrônicos dos anos 80, o synthpop e o synthwave. Eu procurei muitos nomes para poder dar à essa viagem, com “Get Your Kicks” da música Route 66 da banda the King Cole Trio e “Born to be Wild” da música da banda Steppenwolf. Porém, quando eu ouvi a música Heartbeat do The Midnight, eu sabia que essa música traduziria tudo que eu escrevi sobre até agora: aventura, emoção, liberdade, estrada, viajar. Foi o casamento perfeito.



Depois de visitar os parques da Costa Leste e do Texas nos Estados Unidos, chegou o momento de eu conquistar o oeste. Juntei dois amigos para viver esse sonho junto comigo, e começamos a planejar dois anos antes como seria nossa viagem pela Rota 66. Fizemos algumas modificações no trajeto original da estrada para absorver a maior quantidade de parques possíveis. Iríamos sair de Cleveland, chegar até Chicago, ponto de início da Rota 66, e seguir de carro até Los Angeles, onde o fim fica no píer de Santa Mônica em Los Angeles. Contabilizamos 25 parques, 17 cidades e um percurso de mais de 8000 km que seriam rodados. Como diria Relâmpago McQueen,


​"Califórnia, aí vamos nós!"




Parece que quanto mais o tempo passava, mais devagar ele ficava. A ansiedade estava cada vez mais alta, até que chegou o momento do embarque para Cleveland. A mala estava abarrotada de coisas - a minha empolgação era tanta, que eu perdi completamente a mão e levei muito mais coisas do que eu precisava! Normalmente, para 30 dias, eu levo 25 camisetas, e algumas eu lavo durante a viagem. Dessa vez, eu tinha posto mais de 40 camisetas, fora pares de tênis… Definitivamente não preciso disso tudo. Quando viajamos pela estrada, o que menos precisamos é nos preocupar com a roupa!


Além dos parques que decidimos ir, vimos que tinha muito a fazer no caminho, o que levou a gente a separar alguns dias para poder entrar nos parques nacionais de cânions, curtir as cavernas das florestas, e as atividades loucas de Las Vegas, por exemplo. Mesmo assim, não foi o suficiente. A Rota 66 tem muito a se fazer, e quando eu vi, eu já estava planejando outra viagem para lá. Respirei fundo e me concentrei no que estava por vir, especialmente porque já no segundo dia de viagem, eu ia começar realizando um sonho que ficou preso em 2021, quando tentei fazer o tour de bastidores do Cedar Point e foi cancelado no último minuto. Com todos os documentos prontos e impressos, estávamos no avião indo em direção à mãe de todas as estradas.



Parte I: Grandes Lagos

texto aqui


Parte II: Florestas

texto aqui


Parte III: Cânions

texto aqui


Parte IV: Los Angeles

texto aqui


======

As minhas dicas para você fazer uma viagem como essa são essencialmente duas: força de vontade e planejamento. Vou explicar como elas atuam dentro de você para fazer algo assim sair do papel. Força de vontade: isso é algo que quero passar que não vale só para viagens, mas também para vida. Vá até o limite. Tudo que fizer, vá até o limite. Seja curioso, vá até aonde ninguém foi. Saia do óbvio. A vida é muito curta para vivermos na zona de conforto. Queira ter, quando envelhecer, a memória de que você fez tudo. Você se desafiou constantemente.


Então quando estiver montando seu roteiro, não deixe parques ou cidades de fora. Adicione. Deixa a sua curiosidade te levar para mundos que você nem imaginava que ainda existiam, como eu fiz com o Glenwood Caverns. Planejamento: não dá para fazer algo assim da noite pro dia. O meu planejamento começou em 2021. Foram 2 anos juntando dinheiro trabalhando para poder tirar do papel. Vamos aos passos que fiz para fazer essa viagem internacional:


1) Estabeleça uma linha do tempo. Saiba quando você quer fazer a viagem. Primeiro, defina o ano, depois o mês, depois a quantidade de dias. A partir daí, comece a juntar dinheiro.


2) Comece a ter os itens necessários para sair do Brasil. Estabeleça uma cronologia a partir de 1 ano antes da sua data planejada de embarque.


2.1) 1 ano antes: fazer passaporte.

2.2) 10 meses antes: conseguir o visto de turismo (se aplicável).

2.3) 8 a 6 meses antes: compra da passagem aérea e outros deslocamentos aéreos.

2.4) 5 a 4 meses antes: compra da hospedagem.

2.5) 4 a 3 meses antes: compra do aluguel do carro.

2.6) 3 a 2 meses antes: compra de ingressos.


Observação 1: É costume dos parques fazerem promoções para o ano seguinte durante a Black Friday em que os ingressos têm os preços derrubados. Não hesite em reordenar os passos para ter uma otimização financeira.


Observação 2: Se você visitar um ou dois mais parques da mesma rede, ou pretende fazer dois dias ou mais no mesmo parque, considere a compra de um Season Pass. Eles costumam dar acesso a todos os parques da rede e são mais baratos que ingressos de 2 dias.


3) Convide a pessoa certa para vivenciar seu sonho com você: viajar sozinho é maneiro, mas viajar com uma companhia legal torna a viagem ainda mais divertida! Pense naquela pessoa querida que é animada, gosta de aventuras e não molenga em viagens, e faça a proposta! É sempre bom dividir os custos de hospedagem e aluguel de carro! Viva a sua vida realizando sonhos. Lembre-se que o único investimento que nós levamos quando partimos desse planeta são as nossas memórias. 


Quanto custa viajar para a Rota 66 e fazer uma road trip pelos Estados Unidos?

Data: Junho de 2023

Dólar americano: R$ 5,50

Período: 31 dias

Número de pessoas: 3


Custos:

1) Deslocamentos

Passagem aérea Rio de Janeiro-Cleveland | Los Angeles-Rio de Janeiro: R$ 4.305,00 via American Airlines - comprada 11 meses antes do embarque

Passagem aérea Oklahoma City-Denver: R$ 805,00 via Southwest - comprada 9 meses antes do embarque


Aluguel de carro (15 dias) Cleveland-Oklahoma City: R$ 6.731,00 via Rentcars (locadora: Budget)

Preço por pessoa: R$ 2.245,00


Aluguel de carro (15 dias) Denver-Los Angeles: R$ 8.835,10 via Rentcars (locadora: Hertz)

Preço por pessoa: R$ 2.945,00


2) Hospedagem (preço por pessoa, dividido por 3)

2 noites em Sandusky: R$ 345,00

3 noites em Chicago: R$ 425,00

1 noite em Wisconsin Dells: R$ 163,00

2 noites em Minneapolis: R$ 300,00

2 noites em Des Moines: R$ 410,00

1 noite em Kansas City: R$ 245,00

1 noite em St. Louis: R$ 162,00

2 noites em Branson: R$ 235,00

1 noite em Hot Springs: R$ 175,00

1 noite em Oklahoma City: R$ 100,00

1 noite na Denver: R$ 165,00

1 noite em Glenwood: R$ 350,00

1 noite em Moab: R$ 345,00

2 noites em Salt Lake City: R$ 245,00

3 noites em Las Vegas: R$ 350,00

7 noites em Los Angeles: R$ 870,00


3) Ingressos

Passe Platinum da Cedar Fair: R$ 1.560,00

Sunrise Thrills VIP Tour no Cedar Point: R$ 1.070

Passe Diamond da Six Flags: R$ 930,00

Indiana Beach: R$ 186,00

Nickelodeon Universe: R$ 265,00

Mt. Olympus: R$ 53,00

Lost Island: R$ 250,00

Adventureland: R$ 230,00

Silver Dollar City: R$ 485,00

Fantastic Caverns: R$ 160,00

Runaway Coaster: R$ 100,00

Magic Springs: R$ 270,00

Elitch Gardens: R$ 295,00

Glenwood Caverns: R$ 355,00

Lagoon: R$ 450,00

The STRAT: R$ 220,00

Adventuredome: R$ 350,00

High Roller c/ Open Bar: R$ 375,00

Montanha-russa do New York-New York: R$ 122,00

Disneyland Resort (2 dias): R$ 1.925,00

Universal Studios Hollywood: R$ 740,00

SeaWorld: R$ 495,00


4) Diversos

Comida: USD 1.000,00 (R$ 5.500,00)

Compras: USD 500 (R$ 1.500,00)

Pedágios/Gasolina: USD 300 (R$ 1.650,00)


TOTAL (por pessoa): R$ 26.071,00 (custos 1 à 3) + R$ 8.650,00 (custo 4) = R$ 34.721,00


Roteiro:

31/mai - Chegada em Cleveland / passeio pelo centro de Cleveland e ida à Sandusky

01/jun - Cedar Point

02/jun - Trajeto de Sandusky à Muskegon / Michigan's Adventure / Trajeto de Muskegon à Chicago

03/jun - Six Flags Great America

04/jun - Indiana Beach / Navy Pier em Chicago

05/jun - Trajeto de Chicago à Wisconsin Dells / Mt. Olympus Theme & Water Park

06/jun - Trajeto de Wisconsin Dells à Minneapolis / Nickelodeon Universe no Mall of America

07/jun - Valleyfair

08/jun - Trajeto de Minneapolis à Des Moines / Lost Island

09/jun - Adventureland

10/jun - Trajeto de Des Moines à Kansas City / Worlds of Fun

11/jun - Trajeto de Kansas City à St. Louis / Six Flags St. Louis

12/jun - Trajeto de St. Louis à Branson / Fantastic Caverns + passeio de trem em Branson

13/jun - Silver Dollar City

14/jun - Trajeto de Branson à Hot Springs / Magic Springs

15/jun - Trajeto de Hot Springs à Oklahoma City / Six Flags Frontier City

16/jun - Voo de Oklahoma City à Denver / Elitch Gardens

17/jun - Trajeto de Denver à Glenwood / Glenwood Caverns Adventure Park

18/jun - Trajeto de Glenwood à Moab / Parque Nacional dos Arcos

19/jun - Parque Nacional Canyonlands / Trajeto de Moab à Salt Lake City

20/jun - Lagoon

21/jun - Trajeto de Salt Lake City à Las Vegas / Parque Nacional Zion

22/jun - Dia na Rota 66: Visita à Seligman e Grand Canyon West / The STRAT

23/jun - Dia para explorar Las Vegas / Adventuredome

24/jun - Trajeto de Las Vegas à Los Angeles / Cidade fantasma de Calico + Píer de Santa Mônica

25/jun - SeaWorld San Diego + Belmont Park

26/jun - Disneyland

27/jun - Disney California Adventure

28/jun - Six Flags Magic Mountain

29/jun - Universal Studios Hollywood

30/jun - Knott’s Berry Farm

01/jul - Retorno ao Brasil


​"As estradas não eram retas como essa interestadual… acompanhavam as terras, com as subidas, descidas, curvas… os carros não dirigiam para ganhar tempo, dirigiam nela para aproveitar o tempo..."

Sally, em cena do filme Carros da Disney



bottom of page