top of page

VEJA TODOS OS MEUS
DIÁRIOS DE VIAGEM

Registrei cada passo das minhas viagens em um grande relato - cada viagem tem um nome especial!

Rio Water Planet

Inaugurado em 1998, o Rio Water Planet foi um dos empreendimentos que surgiram no ramo de parques carioca por volta do começo do novo milênio. Por ter um leque de atrações invejável, o complexo aquático conseguiu sobreviver à crise que veio logo após a sua inauguração, porém, acabou fechando no ano de 2018 permanentemente. Abaixo, você pode conferir como foi minha última visita ao parque em seu último ano de operação.

Localizado no bairro de Vargem Grande, o Rio Water Planet ficava muitíssimo afastado do centro da cidade do Rio de Janeiro, e não teve uma boa infraestrutura hoteleira ao seu redor, visto que seu bairro é pouco desenvolvido. Entretanto, seu público variava de médio à grande, sendo às 14 horas o ápice do número de pessoas no parque.

O Rio Water Planet oferecia o sistema de cartão de consumo, não podendo consumir nada lá dentro com dinheiro ou cartões de crédito e débito. Para adquiri-lo, era necessário pagar 1 real. Além disso, o aluguel de armário tinha um preço bastante salgado, sendo necessário pagar R$40, com somente R$10 sendo devolvidos ao entregar a chave no fim do dia.

Para absorver tamanha quantidade de visitantes, o Rio Water Planet contava com aproximadamente 40 atrações, entre elas radicais e infantis. Seus toboáguas, assim como suas piscinas, eram excelentes, proporcionando uma diversão clássica de parque aquático. Mesmo num tempo nublado, a água do Rio Water Planet teve uma temperatura agradável em todos os pontos.

A primeira atração que se entrava em contato é o Rio Lento, que corta todo o Rio Water Planet. Sua correnteza proporcionava bons momentos de relaxamento e sua profundidade era o bastante para que todo mundo pudesse brincar.

Sua piscina de ondas era gigante, e possui ao seu redor diversas espreguiçadeiras dentro de estruturas cobertas, porém seu chão era chamuscado, podendo fatalmente provocar arranhões. As ondas eram liberadas de quinze em quinze minutos. Durante o dia todo, o Rio Water Planet reproduzia clipes de músicas em um palco, que possuía sua própria piscina. Às vezes, alguns shows eram feitos no local.

As crianças possuíam algumas atrações dedicadas à elas, como pequenos toboáguas, chafarizes espalhados pela parte direita do Rio Water Planet e playgrounds aquáticos, como o Castelinho. Entretanto, o principal conjunto de toboáguas infantis, a Rodeo Mountain, passou o dia todo desligado.

Inclusive, mais duas atrações passaram o dia desligadas e possuem visivelmente sinais de abandono: o teleférico, que levaria os visitantes e suas boias até o topo da montanha principal do Rio Water Planet, e o Rio Selvagem 1, um toboágua esculpido na pedra, que tinha água parada pela maior parte de seu percurso.

Nessa montanha se localiza 5 conjuntos de toboáguas, que apesar de estarem apresentando uma péssima aparência, eram o grande motivo da interrupta operação do Rio Water Planet por 17 anos. O Conjunto Amarelo é composto da Montanha Russa Aquática, atração com quedas e curvas bastante divertidas, e dos toboáguas com boias, com curvas bastante tranquilas.

No Conjunto Vermelho, o grande destaque é o K2, localizado no topo da montanha. Não utilizando boias, possui curvas fechadas e alta velocidade. Um dos pontos altos além da queda final, são os momentos em que passa por dentro da terra. A atração tem limite de peso (85kg) em virtude das suas grandes forças G.

Além dele, o Conjunto conta com o tradicional Kamikase e dois toboáguas de queda livre semelhantes, sendo sua única diferença a parte reta que é fechada em um deles. Todos as atrações de cor vermelha são somente os para mais fortes, e em algum ponto vão naturalmente provocar uma leve descolagem do corpo do toboágua, causando uma incrível sensação de airtime.

No Conjunto Azul Escuro, duas atrações também fazem o coração quase sair pela boca. O Bala de Canhão, tem seu percurso inteiro feito no escuro e possui a maior velocidade já vista por mim em um toboágua, tendo uma curva extremamente fechada e inédita em seu final. Já o popular funil, denominado Space Bowl (sua fila é imensa!), é recomendado apenas para quem sabe nadar, já que sua piscina de saída possui 2,70m de profundidade.

Três outros toboáguas de corpo promovem uma experiência um pouco mais familiar, sendo acessados por uma gruta. Possuem partes abertas e fechadas, e uma velocidade relativamente tranquila. Perto dali, o Speed surpreende quem o acha pequeno, principalmente pela sua última queda antes da piscina.

Por questão do "altíssimo custo de energia", como é informado na entrada do Rio Water Planet, o toboágua Family Rider abre somente às 14:00, ocasionando uma gigantesca fila. Sua boia oferece lugares para até 6 pessoas, e quanto maior o número de pessoas, maior será a adrenalina nos momentos de curva.

Infelizmente, a atração mais única de todo o Rio Water Planet também sofria o mesmo problema do Family Rider. Percorrendo todo a montanha, o Rio Selvagem 2 atraía uma boa parte do público do Rio Water Planet que deseja enfrentar suas curvas em V, suas quedas altas e inesperadas, além de momentos na completa escuridão. Ele é até hoje o toboágua e atração de parque aquático mais doida que eu já andei.

A infraestrutura de alimentação do Rio Water Planet era muito boa, oferecendo diversas opções, como pizzas, comida à quilo, churrasco, fast-food e sobremesas. A maioria dos pontos estavam abertos, mesmo com o médio público. A qualidade não era muito requintada, porém cumpria bem seu papel.

Outrora considerado um dos mais belos do mundo, não se podia mais dizer o mesmo do Rio Water Planet. Ainda que a natureza seja bastante presente, existia uma quebra da temática do local paradisíaco com estruturas metálicas de gosto duvidoso, assim como construções construídas de forma pobre, com pouco capricho. Para acrescentar, as mesas e cadeiras da praça de alimentação eram de plástico.

Além disso, as pinturas dos toboáguas estavam bastante gastas, assim como das escadas, e da sua sinalização. As piscinas possuíam uma grande quantidade de cloro, porém era bastante limpas, sem nenhum tipo de sujeira visível. A manutenção dos toboáguas abertos parecia estar em dia, sem nenhum deles apresentar sinais de deterioração grave. O Rio Water Planet perdia pontos em Ambiente em função de ter apenas dois vestiários, que inclusive são pequenos.

Seus preços eram inflados para que o Rio Water Planet oferece, sendo a entrada custando R$140 inteira e R$70 meia, através da loja virtual. O Rio Water Planet abria às 9hs, com as atrações abrindo uma hora depois e indo até o horário de encerramento, 17h. Caso o parque estivesse muito lotado, ficava bem difícil aproveitar todas as atrações caso não chegasse no horário de abertura.

O Rio Water Planet estava um pouco longe de ser considerada a oitava maravilha do Rio, porém a visita era indicada para aqueles que queriam desafiar um conjunto excelente de toboáguas, que arriscava dizer ser um dos melhores do país.

808 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Valleyfair

Comentarios


StormRunner.jpg

SE SENTIU INSPIRADO? VAMOS VIAJAR!

Conheça nossa agência de viagens!

Na Scream!, você encontra a forma que mais se adequa para você viajar: seja de excursão ou comprando um pacote! Te falei que dá para montar seu próprio pacote e comprar ingressos para os melhores parques espalhados pelo mundo? Ah, tem mais! Dá para você ter seu próprio roteiro personalizado!

bottom of page